workshop-seguranca1

Com o apoio do Grupo Souza Lima em parceria com a ABSEG – Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, o CIESP – Campinas promoveu no dia 25 de outubro o IV Workshop Divisão de Proteção Patrimonial Industrial – Por Dentro da Segurança.

Com a principal finalidade de incentivar a participação das PMEs à estruturação das áreas de segurança, o evento contou com a presença de mais de 80 profissionais do setor de segurança empresarial e patrimonial.

Os participantes puderam observar com atenção novos aspectos da gestão de segurança nas empresas, sendo elas de grandes, médias ou pequenas organizações.  Foram apresentadas vivências de profissionais da área, buscando incentivar e atrair o interesse de todos os representantes da indústria sobre a importante relevância da área de segurança dentro das companhias.

workshop-seguranca2

Logo no início da abertura, Rodrigo Villela Dirani, coordenador da Divisão de Proteção Patrimonial Industrial-PPI que faz parte do departamento Jurídico do CIESP-Campinas  destacou sobre a evidência do setor nos últimos anos: “Nas Olimpíadas de 2016 a segurança foi o tema mais discutido. Na ocasião foram mobilizados 85 mil homens, incluindo policiais, bombeiros e integrantes das forças armadas”.

Segundo estimativas da ONG Contas Abertas, o governo federal gastou quase R$ 800 milhões com a segurança para os jogos olímpicos Rio 2016.  “Isso só mostra o quanto a área de segurança vem ganhando espaço através do valor a ela agregado.” Conclui, Dirani.

O gerente de auditoria da Tradeworks Serviços de Comércio Exterior, Antonio dos Santos Júnior, contextualizou a intrínseca relação do OEA – Operador Econômico Autorizado com a área de segurança e ainda descreveu as medidas de segurança para conter riscos de contrabando, tráfico de armas e drogas, entre outros crimes: “Demonstramos aqui os cuidados que importadores e exportadores precisam ter para garantir que os riscos sejam minimizados dentro da sua cadeia logística, às contrapartidas exigidas pela Receita Federal.”

Em outro momento, a dinâmica do protocolo de respostas às emergências e crises, esteve a cargo do consultor master na empresa Consultoria & Assessoria Empresarial BSK Security, João Bosco. Ele lembrou que toda empresa deve seguir a legislação utilizando sempre um protocolo de resposta para qualquer tipo de emergência, “pois só a partir disso é possível estabelecer uma pronta resposta, obedecendo às normas da ISO 31000”, explicou.

De acordo com um recente estudo realizado em âmbito nacional pela Consultoria Deloitte, aponta que apenas 36% das empresas fazem simulados, “as demais ainda preferem assumir o risco”, destacou Bosco. A pesquisa foi realizada entre 300 empresas, por meio de seus conselhos administrativos.

No “Por Dentro da Segurança”, Alexandre Afonso abordou as diversas possibilidades competitivas relacionadas com os sistemas integrados de segurança. O executivo de Negócios da C4I Inteligência Competitiva, apresentou sistemas de câmeras e a integração com outros sistemas como os de incêndio, de automação e controles prediais: “O que traz competitividade, a partir de uma melhor eficiência e redução de custos”. Para o especialista, essa tendência vem alavancando um movimento de maior acesso aos micro-empresários.

Eric Emerson Arruda, advogado do escritório Portinho Advogados Associados, esclareceu todas as dúvidas dos aspectos práticos da medicina legal e da perícia médico-legal, fortalecendo a mensagem de que o empresário precisa buscar o conhecimento a respeito dos procedimentos relativos aos acidentes de trabalho e às doenças profissionais:  “O que pode gerar responsabilidades criminais ou até cíveis, assim, a medicina legal oferece os subsídios ao investigador e ao poder judiciário”.

Em um país com a 4ª maior população carcerária do mundo em que essa taxa de crescimento aumentou 7% ao ano, a sensação de insegurança continua sendo uma grande preocupação. Assim, considerando o sistema prisional com uma taxa de ocupação nas unidades superlotadas de 167%, ações que fortalecem a união entre as instituições e as organizações do setor de segurança contribuem para construir relações de negócios e conhecimentos que garantem soluções de serviços cada vez mais eficazes.

Para o Grupo Souza Lima, a melhoria contínua da qualidade dos serviços é um objetivo perseguido constantemente pelos gestores e colaboradores da empresa. Prova disso está na Certificação ISO 9001:2008, outorgada pela BVC Bureau Veritas que confere o conceito de qualidade total, trabalhando dentro das melhores normas internacionais de Gestão da Qualidade e garantindo assim, eficácia das soluções completas em Segurança e Serviços.

Por Dentro da Segurança

IV Workshop Divisão de Proteção Patrimonial Industrial

Fonte: CIESP

Grupo Souza Lima, Gente Cuidando de Gente!